BIOTEC.IPT - Laboratório de Bioenergia e Biotecnologia Aplicada

VALORBIO - Ficha do Projeto I&D

 

 

Designação do projeto: VALORBIO - Valorização de resíduos através de zonas húmidas construídas modulares usadas para tratamento de águas residuais

Código do projeto: 023314 (AAC 02/SAICT/2016)

Objetivo principal: Proteger o ambiente e promover a eficiência dos recursos

Região de intervenção: Centro e Alentejo

Entidades benificiárias: Instituto Politécnico de Tomar (proponente); Instituto Politécnico de Coimbra (copromotor); Instituto Politécnico de Portalegre (copromotor); Palser – Bioenergia e Paletes, Lda. (copromotor).

 

Data de aprovação: 2017-04-26

Data de início: 2017-07-17

Data de conclusão: 2019-01-16

Custo total elegível: 147.524,59 EUR

Apoio financeiro da União Europeia: FEDER 124.895,90 EUR

Apoio financeiro público nacional/regional: 0,00 EUR

 

Objetivos, atividades e resultados atingidos:

O projeto VALORBIO resultou de uma parceria entre quatro instituições:

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR, proponente, através do Laboratório de Bioenergia e Biotecnologia Aplicada (BIOTEC.ipt);

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA, copromotor, através do Instituto de Investigação Aplicada (i2A);

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE, copromotor, através da Coordenação Interdisciplinar Investigação Inovação (C3i);

PALSER – BIOENERGIA E PALETES, Lda., empresa com sede na Sertã.

O projeto foi desenvolvido durante 18 meses, entre julho de 2017 e janeiro de 2019, e visou o tratamento de águas residuais através de Zonas Húmidas Construídas (ZHCs), que consistem em sistemas biológicos baseados em plantas, também designados por fito-ETARs (Estações de Tratamento de Águas Residuais) ou Leitos de Macrófitas (as macrófitas aquáticas são plantas que se desenvolvem em meios alagados).

Os principais objetivos, propostos inicialmente e integralmente cumpridos, foram:

Conceber, construir e testar um sistema de ZHCs modulares, usando materiais da fileira florestal para a estrutura, de modo a aumentar a sustentabilidade das ZHCs, diminuir o seu impacte nos Ecossistemas e permitir valorizar as estruturas quando atingirem o seu fim de vida;

Testar, como enchimento das ZHCs modulares, materiais residuais e subprodutos gerados na região, como por exemplo fragmentos de rochas e outros materiais usados na construção civil, escórias geradas na queima de carvão nas centrais termoelétricas, desperdícios das atividades das fileiras florestal, agropecuária e agroalimentar, entre outros;

Avaliar a qualidade das águas após tratamento pelas ZHCs, e definir as condições em que podem ser reaproveitadas ou valorizadas, por exemplo para rega, para lavagem de pavimentos, ou para produção de algas, permitindo reduzir os consumos de água e proteger os recursos hídricos;

Avaliar a potencialidade e as condições de valorização da biomassa vegetal produzida nas ZHCs (resultante das podas regulares das partes emergentes das macrófitas), designadamente como fonte de energia renovável.

Esquema geral dos objetivos do projeto VALORBIO: (1) Constituintes das ZHCs modulares: Módulo construído com componentes estruturais individuais + material de enchimento constituído por resíduos sólidos; (2) Água residual; (3) Água recuperada após tratamento; (4) Aproveitamento dos constituintes após fim de vida das ZHCs.

 

^ Topo