A proposta da cátedra também se baseia na estratégia de metas do Milénio e está alinhada aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030. Embora exista um vínculo diretamente evidente com o ODS 11, sobre a sustentabilidade das cidades, a relação com todas as metas é um facto que resulta da natureza do tópico da cátedra em si, e existem referências específicas:

  • por um lado, com metas que condicionam diretamente as perceções dos seres humanos e, portanto, suas ações nos territórios (ODS1 Sem pobreza; ODS 2 Fome Zero; ODS 3 Boa saúde e bem-estar; ODS4 Educação de qualidade; ODS8 Trabalho decente e crescimento económico; ODS10 Redução de desigualdades e ODS16 no seu foco em instituições fortes);
  • e por outro, aqueles que se relacionam diretamente com a gestão do território(ODS 5 Igualdade de género, ODS 6 Água limpa e saneamento; ODS 7 Energia acessível e limpa; ODS 9 Indústria, inovação e infraestrutura; ODS11 Cidades e comunidades sustentáveis; ODS 12 Consumo responsável e produção; ODS13 sobre a relação com a resiliência; ODS 14 Vida abaixo da água; ODS 15 Paz, Justiça e instituições fortes; e ODS 17 sobre parcerias).

A cátedra tem uma dimensão aplicada que opera diretamente em contextos de gestão de paisagem cultural. Ao fazê-lo, fomenta políticas de integração (contra a pobreza, a fome ou as desigualdades; favorecendo a paz, justiça e acesso à saúde, educação ou trabalho), a sustentabilidade global (água, energia, patrimônio, consumo e valores) e a resiliência (fortalecimento institucional , urbanismo).


^ Topo