IPT Logotipo do IPT

Conservação e Restauro

Metodologia da Investigação

<< voltar ao Plano Curricular

Publicação em Diário da República: Despacho nº 9982/2016 - 05/08/2016

5.5 ECTS; 1º Ano, 1º Semestre, 30,0 T + 30,0 TP + 3,0 OT , Cód. 338042.

Docente(s)
- António João de Carvalho da Cruz (1)(2)

(1) Docente Responsável
(2) Docente que lecciona

Pré-requisitos
Não aplicável.

Objetivos
1. Identificar o papel da investigação na Conservação e Restauro
2. Identificar as características da literatura técnico-científica
2.1. Identificar os diferentes tipos de publicações
2.2. Identificar a literatura técnica e científica relevante para a C&R
3. Executar pesquisas bibliográficas
3.1. Identificar e usar adequadamente os recursos digitais
3.2. Seleccionar as publicações técnico-científicas
3.3. Obter as publicações em formato digital
4. Usar adequadamente a literatura técnico-científica
4.1. Seleccionar o tipo de publicação mais adequado a um assunto
4.2. Identificar a informação relevante de uma publicação
5. Elaborar adequadamente documentos técnico-científicos
5.1. Definir a estrutura
5.2. Organizar a informação
5.3. Usar linguagem escrita adequada
5.4. Aplicar sistemas e normas bibliográficas
5.5. Elaborar tabelas e figuras
5.6. Paginar documentos
6. Usar adequadamente o processador de texto

Programa
1. A investigação em Conservação e Restauro
1.1. O que é investigar?
1.2. Importância e contextos da investigação em C&R
1.3. A intervenção de C&R como investigação
1.4. Programas de investigação em C&R
1.5. A importância da leitura e da escrita
1.6. A importância da publicação em C&R
2. Pesquisa bibliográfica
2.1. O que procurar?
2.1.1. A literatura técnico-científica
2.1.2. As publicações das Ciências e das Humanidades
2.1.3. A C&R no contexto da publicação
2.1.4. O artigo científico
2.2. Como procurar?
2.2.1. Pesquisa tradicional e pesquisa em ambiente digital
2.2.2. Bases de dados bibliográficas
2.2.3. Motores de busca
2.2.4. A pesquisa bibliográfica através das citações
2.3. Como obter a bibliografia em formato digital e como a identificar?
2.3.1. Acesso através das editoras
2.3.2. Repositórios institucionais e páginas pessoais
2.3.3. Projectos de digitalização e bibliotecas virtuais
2.3.4. Elementos de identificação de publicações digitais
3. Escrita técnico- científica
3.1. Estrutura geral dos documentos
3.1.1. Tipos de documentos
3.1.2. Artigo científico: Ciências vs Humanidades
3.1.3. Artigo científico: estrutura de artigo experimental
3.1.4. Artigo científico: artigo de revisão
3.1.5. Dissertação e tese
3.1.6. Relatório de estágio
3.1.7. Proposta e relatório de intervenção
3.1.8. Curriculum vitae
3.2. Elementos de um documento
3.2.1. Parte pré-textual
3.2.2. Parte textual
3.2.3. Parte pós-textual
3.3. Estilo
3.3.1. Os estilos académicos
3.3.2. O estilo técnico e científico e a literatura internacional
3.3.3. Organização do texto
3.3.4. Suporte do texto
3.3.5. Escolha das palavras
3.3.6. Sistemas, normas e convenções técnicas
3.3.7. Aspectos gramaticais
4. Referências bibliográficas
4.1. Importância das referências bibliográficas
4.2. Sistemas de apresentação das referências bibliográficas
4.3. Principais normas de formatação
4.4. Norma Portuguesa NP 405
4.5. Programas de gestão de referências bibliográficas
5. Tabelas e figuras
5.1. Uso de tabelas e de figuras
5.2. Estrutura das tabelas
5.3. Informação obtida na forma de imagem (fotografias)
5.4. Informação obtida na forma numérica (gráficos)
5.5. Representações da natureza estrutural da informação (diagramas)
5.6. Representações de informação com resolução espacial (mapas)
5.7. Representações simplificadas (esquemas)
6. Preparação de documentos em formato digital
6.1. Formatos digitais de documentos técnico-científicos
6.2. Regras gerais de paginação
6.3. Montagem de documentos
7. Uso do Word
7.1. Regras gerais
7.2. Estilos
7.3. Numeração automática de sequências
7.4. Marcadores e referências cruzadas
7.5. Índices
7.6. Referências bibliográficas
7.7. Inserção de figuras e tabelas
7.8. Ferramentas de revisão

Metodologia de avaliação
Salvo casos especiais, devidamente justificados, as aulas teórico-práticas são de presença obrigatória.
A avaliação é efectuada através de uma componente TP (exercícios realizados nas aulas TP ou fora das aulas) (50 %) e de uma componente T (artigo de revisão bibliográfica, sobre tema à escolha, a entregar na época de frequência ou nas épocas de exame) (50 %). Há dispensa de exame ou aprovação quando as duas componentes têm classificação igual ou superior a 10 valores.
Em casos especiais, devidamente justificados, a avaliação faz-se apenas através da componente teórica, sendo necessária a nota mínima de 10 valores nesta componente para dispensa de exame ou para aprovação.

Bibliografia
- Azevedo, M. (2018). Teses, Relatórios e Trabalhos Escolares. Sugestões para a Estruturação da Escrita. Lisboa: Universidade Católica Editora
- Estrela, E. e Soares, M. e Leitão, M. (2015). Saber Escrever uma Tese e Outros Textos . Lisboa: Dom Quixote
- Pereira, A. e Poupa, C. (2018). Como Escrever uma Tese, Monografia ou Livro Científico Usando o Word. Lisboa: Sílabo
- Turabian, K. (2018). A Manual for Writers of Research Papers, Theses, and Dissertations. Chicago: The University of Chicago Press
- Research as an integral part of conservation- restoration education.(2017, 0 de ---). CeROArt,
- Writing for conservation.(1999, 0 de ---). Conservation News, pp. 11-15.

Método de Ensino
1. Aulas teóricas de natureza expositiva
2. Aulas teórico-práticas de discussão de problemas comuns
3. Realização de exercícios de aplicação
4. Elaboração de artigo de revisão sobre tema livre a entregar nas épocas de avaliação

Software utilizado nas aulas
Não aplicável

 

Aprovado em Conselho Técnico Cientifico: 20 de dezembro de 2023

Download da Ficha da Unidade Curricular (FUC)

 

 


<< voltar ao Plano Curricular
NP4552
Financiamento
b-on
santander
erasmus
catedra
portugal2020
centro2020
compete2020
crusoe
fct
feder
fse
poch
portugal2030
poseur
prr
republica
UE next generation
Centro 2030
Lisboa 2020
co-financiado