IPT Logotipo do IPT

Ano Letivo: 2016/17

Construção e Reabilitação

Patologia e Reabilitação das Construções

<< voltar ao Plano Curricular

Publicação em Diário da República: Despacho nº 9398/2015 - 18/08/2015

5 ECTS; 3º Ano, 2º Semestre, 15,0 PL + 45,0 TP + 5,0 OT , Cód. 810631.

Docente(s)
- Maria de Lurdes Belgas da Costa Reis (2)

(1) Docente Responsável
(2) Docente que lecciona

Pré-requisitos
Conhecimento dos materiais de construção;
Conhecimento de processos construtivos

Objetivos
Conhecer a evolução das construções e dos processos construtivos;Compreender o mecanismos de degradação dos materiais e dos elementos construtivos, suas causas e consequências; Identificar patologias dos materiais e das construções; Conhecer os princípios e os critérios e técnicas das intervenções.

Programa
1.Introdução
1.1.Mecanismos gerais de degradação dos materiais, elementos construtivos e estruturais: Conceito de vida útil das construções; Conceito de patologia; Processo patológico: fatores de degradação dos materiais e dos elementos construtivos; Etapas de degradação e critérios de intervenção.
1.2.A reabilitação de edifícios: introdução, conceitos e definições; Considerações sobre a natureza histórica e ética das intervenções de reabilitação; Princípios gerais a considerar na conceção de uma intervenção; Cartas patrimoniais; Exigências a verificar em intervenções de reabilitação.
2.Evolução das construções
2.1.Evolução dos materiais;
2.2.Evolução das construções;
2.3.Principais tipologias construtivas de edifícios
3.Patologias dos materiais
3.1.Patologias da pedra natural
3.2.Patologias do betão e do betão armado
3.3.Patologias das madeiras e derivados
4.Anomalias não estruturais em elementos primários, elementos secundários e acabamentos
4.1.Causas e agentes das anomalias não estruturais: humanas; ações naturais; desastres naturais; desastres de causas humanas
4.2.Anomalias devidas à humidade
4.3.Fissuração
4.4.Envelhecimento e degradação dos materiais
4.5.Desajustamentos face às exigências de segurança não estrutural e de conforto
4.6.Anomalias correntes da envolvente dos edifícios
4.7.Exemplos de casos de obra
5.Materiais e tecnologias de reabilitação de edifícios
5.1.Ensaios de diagnóstico de anomalias “in situ” e laboratoriais
5.2.Intervenções com materiais e técnicas tradicionais
5.3.Intervenções com novos materiais e novas tecnologias
5.3 Técnicas de reparação de anomalias não estruturais. Generalidades; Eliminação das anomalias; Substituição dos elementos e dos materiais afetados; Ocultação das anomalias; Proteção contra agentes agressivos; Eliminação das causas das anomalias; Reforço das características funcionais.
5.4. Materiais e técnicas para a melhoria do desempenho térmico e acústico dos edifícios
6.Enquadramento legal da reabilitação: Legislação aplicável; Programas de apoio à conservação e reabilitação de edifícios

Metodologia de avaliação
Prova Escrita (65%) teórico-prática, com classificação mínima de 9,5 valores. Trabalho Prático (35%) – Elaboração de um relatório, resultante do estudo aprofundado de uma técnica de intervenção ou do acompanhamento de uma obra de reabilitação.

Bibliografia
- Costa et al., A. (2002). Intervenção no Património - Práticas de Conservação e Reabilitação. (Vol. 1). Porto: FEUP
- Freitas, et al., V. (2015). Congresso sobre Patologia e Reabilitação de Edifícios, Porto. (Vol. 1). (pp. 242). Porto: FEUP
- Mascarenhas, J. (2012). Reabilitação Urbana. (Vol. XII). (pp. 308). Lisboa: Livros Horizonte
- Mascarenhas, J. (2015). Arquitetura Popular Portuguesa. (Vol. 1). (pp. 233). Lisboa: Livros Horizonte

Método de Ensino
Aulas teóricas – Expositivas para apresentação dos conteúdos, com recurso a com meios audiovisuais e outros suportes.
Aulas teórico-práticas – Apresentação de casos de obra que suscitem a análise e discussão. Visitas de estudo e sessões técnicas.

Software utilizado nas aulas
Não aplicável

 

 

 


<< voltar ao Plano Curricular
NP4552
Financiamento
b-on
santander
erasmus
catedra
portugal2020
centro2020
compete2020
crusoe
fct
feder
fse
poch
portugal2030
poseur
prr
republica
UE next generation
Centro 2030
Lisboa 2020
co-financiado