DESIGNAÇÃO DO PROJETO: LITIO - A geologia como base da qualidade de vida – a sustentabilidade do lítio na povoação de Gonçalo (Guarda)

CÓDIGO DO PROJETO: CENTRO-01-0145-FEDER-023720

OBJETIVO PRINCIPAL: Aprofundar o conhecimento sobre as jazidas de lítio e minérios a ele associados, que ocorrem na formação geológica-sedimentar de estanho do Vale da Gaia (Gonçalo - Guarda).

REGIÃO DE INTERVENÇÃO: Centro

ENTIDADES BENEFICIÁRIAS: Instituto Politécnico da Guarda (promotor), Instituto Politécnico de Tomar (co-promotor), Instituto Politécnico de Castelo Branco (co-promotor), Pegmática – Sociedade Mineira de Pegmatites, Lda. (co-promotor).


DATA DE APROVAÇÃO: julho de 2017


DATA DE INÍCIO: 02/05/2017


DATA DE CONCLUSÃO: 30/10/2018


CUSTO TOTAL ELEGÍVEL: 148.308,94 EUR


APOIO FINANCEIRO DA UNIÃO EUROPEIA: 125.758,38 EUR


APOIO FINANCEIRO PÚBLICO/REGIONAL: 0 EUR


OBJETIVOS, ATIVIDADES E RESULTADOS ESPERADOS/ATINGIDOS:
A gestão sustentável de recursos é atualmente uma prioridade da sociedade em que vivemos, sendo que cada região deve tirar partido dos seus recursos naturais em particular dos seus recursos endógenos de natureza geológica.
A Europa é deficitária em lítio, sendo Portugal e Espanha, os únicos países da EU com recursos deste minério, bem como potencial para novas descobertas (http://minerals4eu.brgm-rec.fr/m4eu-yearbook/theme_selection.html).
A zona onde se pretende intervir, além de possuir as características anteriormente referidas, é única no panorama português no que se refere aos recursos de minérios litiníferos, sendo a sua valorização numa perspetiva de desenvolvimento sustentável uma mais-valia para esta região. As ações que se propõem implementar irão maximizar o potencial da Mina C-57 localizada em Gonçalo-Guarda, como catalisador de um conjunto de atividades que irão enriquecer positivamente a região. Pretende-se assim, aprofundar o conhecimento sobre as jazidas de lítio e minérios a ele associados, que ocorrem na formação geológica-sedimentar de estanho do Vale da Gaia (Gonçalo - Guarda). Esta unidade constitui um vasto campo mineiro, cuja exploração se traduziu em impactes ambientais com repercussões muito agressivas no território e nas comunidades locais. A mudança de paradigma relativamente a esta temática será um outro importante objetivo que se pretende alcançar. O facto de o IPG possuir laboratórios e um corpo docente qualificado nas áreas científicas de Topografia e Cadastro, Geologia e Geotecnia, Bioquímica e Turismo levou a empresa copromotora a lançar este desafio, a que se juntou o IPT e o IPCB com valências nas áreas da sustentabilidade e dos recursos hídricos. As parcerias com a APG e a EFG resultam da relevância que ambas as organizações têm no panorama nacional e internacional de divulgação e disseminação dos raw materials; incorporasse ainda as valências da APG relativas ao geoturismo, já que tem desenvolvido, nos últimos anos, estudos para implementação de percursos pedestres e roteiros junto ao litoral de Peniche.
Para se atingir os objetivos acima elencados, são propostas as seguintes atividades:
•    Levantamentos topográficos e cadastrais: pretende-se efetuar a modelação 3D do terreno e dos filões; Estudos geológicos geotécnicos: os trabalhos de cartografia geológica serão elaborados sobre os levantamentos topográficos produzidos;
•    Realização de prospeção geofísica (sísmica de refração e resistividade elétrica bem como sondagens de prospeção);
•    Estudos de impacte ambiental: será feito um levantamento dos recursos hídricos;
•    Monitorização de águas, poeiras e solos: irá permitir a elaboração destes estudos;
•    Elaboração de percursos temáticos e conceção de um museu a céu aberto: propõe-se a criação de percursos temáticos associados com a geologia e a atividade mineira, ações que serão complementadas por um Museu a Céu Aberto;
•    Divulgação/promoção.

 

^ Topo